domingo, 19 de junho de 2011

#wakemeup

Por favor, me acorde quando eu não chorar de triste.
Quando eu não estiver assim, perigosamente sensível.
Só quando meu sorriso for mais de alegre do que por educação.
Quando se fecharem todas as feridas que continuam aqui e continuam meio abertas e continuam sangrando de tempos em tempos.
Quando as músicas boas forem boas por completo, e sem mais aqueles velhos pedaços de dor. Quando, por Deus, eu conseguir ouvi-las sem doer.
Quando o tempo tiver passado e levado tudo que ele pode carregar. Ou quando inventarem um jeito de fazê-lo voltar.
Só me acorde quando eu estiver pronta pra ficar em pé, sem joelhos fracos, nem passos incertos.
Quando tiverem ido embora essas vezes em que eu tenho memória. Ou quando eu perder esse fragmento inconveniente dela.
Me acorde quando não for tudo cinza.
Só quando eu deixar de ser um segundo plano desfocado.
Quando eu conseguir olhar sem ver.
Quando o céu estiver mais perto.
Quando passar essa sensação de tempestade nos olhos.
Quando eu não tiver mais overdoses de passado, me acorde.
Só quando eu estiver no seu colo, e você cantar um dos seus trechos preferidos de Legião Urbana ao meu ouvido, e isso me fizer sorrir. E quando qualquer coisa for motivo pra você me pôr no colo.
Quando a verdade for algo que se possa suportar, e encarar, e até aceitar.
Quando essa dorzinha fortuita deixar de me ser tão fiel, e for dar uma volta lá longe. E eu prometo que, contrariando meu histórico e meu instinto, não terei ciúmes.
Só quando o mundo desavessar, me acorde.

"Quero que saibas que me lembro
Queria até que pudesses me ver
És parte ainda do que me faz forte
E, pra ser honesto,
Só um pouquinho infeliz..."

3 comentários:

Deyse disse...

Post inspirado na hashtag #wakemeup, muito citada uns dias atrás no Twitter. Quer dizer me acorde. Por isso o título.

Mima disse...

Chorei. Não sei se vc escreve o que sente ou escreve por sagacidade. Só sei que as suas palavras e a ordenação em que elas se dispõem descrevem o salão da dor e da saudade, e só sabe disse quem vive, quem sente, quem passa por ele.

Lia Araújo disse...

Ouço legião desde os 11 anos de idade... durante a adolescência isso se agravou... o melhor do Renato é que ele sempre me diz algo novo... " giz" me diz muita coisa agora, coisas que eu não entendia... descobri que " a montanha mágica" diz muita coisa, tb.

Seus textos cada vez mais difíceis de comentar...
Deyse, vc tem que para de ficar por aí gritando o que as pessoas sentem e não falam. Ou melhor... continue... É bom saber que existem pessoas que sentem parecido. É bom saber que não somos únicos, apesar de a dor se egoísta demais.

beijo.

P.S Nem lembro mais como é um sorriso verdadeiro... sou toda educação agora.

" Quero um dia de sol num copo d'agua"