segunda-feira, 12 de julho de 2010

"Não preciso aprender quem eu sou nas pobres páginas dos jornais...

Eu fico cansado de ver a maldade no meio da rua

Aqueles que ganham a vida daqueles que perdem as suas
É gente que quer o mal pra gente que faz o bem
É gente de dignidade que vive com medo de quem não tem

Diziam que eram coitados, amordaçados pela censura
Agora, desfilam nas bancas e imprimem a própria ditadura
Pobre de ti, Betsaida!
Ai de ti, Corazim!
Dessa nossa garganta virá o juízo do teu fim!"

[A Hora do Brasil - Banda Resgate]

Eu num sei ao certo quem eu sou nem quem eu quero ser. Acho que ter certeza dessas coisas deve ser meio entediante, monótono, sei lá. Talvez seja mais seguro. Mas eu num tenho essas certezas. Eu acho muitas coisas. Mas são só achismos. E eu acho que sei o que não quero ser. Jornalista. Eu num nasci pro imediatismo, desconheço o factual, num fui feita pra TV e minha voz é estranha demais pra rádio. Me pergunte algo que aconteceu hoje daqui um mês e, então, eu saberia sobre o assunto. Sou lenta. Também num sirvo pra pagar pau pra ninguém, então nada de assessoria de imprensa. Aliás, descobri que assessoria de imprensa é uma coisa que eu quero bem longe de mim. Principalmente se for alguma instituição ligada a Governo Federal, Estadual ou Municipal. Porque aqui no Acre, trabalhou pra um, tem que pagar pau pra todos. Mas nem vou falar do jornalismo no Acre. Meus motivos pra não ser jornalista ficariam muito carregados de apelação.
Só sei que não me sinto muito eu em jornalismo. Me sinto meio, sei lá, presa.


P.S. Agora, a liberdade é tudo o que eu quero viver
He took me from the jail, to the Holy house of rock! [da mesma]

2 comentários:

Clara disse...

Amore, pensei nisso ainda hoje.

Não podemos ditar verdades... somos dinâmicos e no momento eu também acho muitas coisas. Porque a vida é assim mesmo, recheada de achismos.. alguns que eu quero que permanecam verdades para mim e outros que eu analiso e avalio a tempo todo. Talvez hoje o que eu acho que seja uma direção, amanhã talvez pode ser o sentido contrário.

Amei seu texto... adoro aqui. ;)

bjoos

Lia Araújo disse...

Deyse, graças a Deus me identifiquei no primeiro curso, o que me desagradou foi que vi que não tive uma formação muito boa, e olha que eu tentei.. tô no segundo, começei do zero. Pra talvez amenizar as deficiências do primeiro curso... apesar de não ter ideia do que vou fazer com os dois diplomas( segundo minha mãe sempre gostei de colecionar coisas inuteis, pode até ser, mas tô descobrindo o que quero da vida, aos poucos.)

De verdade, a gente não convive, não se conhece, mas pelo que tu sempre escreve aqui, vc não se encontrou no curso... pois bem, sendo intrometida, mas, querendo seu bem... vc é tão jovem... pode fazer tudo o que quiser... é só vc acreditar... esforço, terá, mas fica mais gratificante, sabia?

Inteligente vc é... batalhe... nada de pensar nos que as pessoas vão dizer,começar um curso e pará ou trancar pra decidir se é aquilo que vc quer, pode parecer loucura ou outra coisa para outros, afinal, vc investiu tempo e dinheiro nesse processo. Mas, dá um tempo em uma coisa as vezes, é bom... pq depois vc pode pensar se é isso mesmo que vc quer. Eu tenho esperanças do jornalismo acriano mudar um dia... mas, cada vez, essa esperança está mais remota. Sobre a " censura" que temos aqui, realmente não vejo alguém com principios tendo realizações nessa profissão.

Mas, mais um uma vez te digo, Clarice Lispector, Caio Fernando Abreu, Mendes Campos e tantos outros, eram jornalistas, eles fizeram o melhor dele. Se é isso que vc decidir escolher... faz o melhor, sem pensar em A , B ou C.

O Pequeno Príncipe te fará maravilhas.

Cuide-se ;)